Revista RosaShock

Surf & Cia - Dicas esportivas

 

Nem só de surf vive o Rosa

O Rosa sempre foi pico de surf, mas quem não é chegado no cutback também encontra boas opções para desfrutar a exuberante natureza da região.

Windsurf, kitesurf, caminhadas e cavalgadas por trilhas ecológicas são algumas opções para quem cansou de virar croquete na areia e quer movimento.

 

 

 

Rosa é surf na veia!!!

 

 

Desde a Década de 70, a Praia do Rosa habita o imaginário da galera do surf como um lugar inácri para pegar altas, queimar um beque sem nóia e descolar um carocinho na naite. Naqueles tempos a trip era radical: estradas boca braba, pão doce com sardinha na larica e sleeping bag farelento na hora do bode. Os tempos mudaram, a nóia aumentou, mas o surf continua sendo o esporte nacional do Rosa. A maioria dos que moram na praia são ou já foram surfistas e a raça dá o tom do lugar, alugando as baias da nativada, atrolhando os mercadinhos e as pousadas do Sarandi e do Baixo Rosa. Onda rola nos dois cantos da praia, mas no verão quase só quebra merreca e o cráudi fica insano. Prá surfar na paz é preciso errar a balada e cair com o amarelão despontando, prá não disputar valinha com um monte de cabeça – gringos kamikazes, véios rabeadores, minas sefazol e pregos de escolinha. E é bom ficar ligado: o canal do norte é mamãozinho e joga neguinho direto no pico, mas o do sul é meia-boca e se o swell tiver um tamanho é melhor entrar pelo Portinho, prá evitar remaçada. Se tiver a fim de banda, o melhor pico de Sul é o Silveira, e com Nordeste vale conferir a Ferrugem, a Guarda ou ainda a Vila, se bombar grandão. Só não rabeie nativo, que respeito é bom e todo mundo gosta.

 

 

 

 

 

A escolinha do Capitão

 

Se você não é nem nunca foi do surf, mas sempre invejou aquelas cenas dos caras dropando altas ondas, pode aproveitar sua passagem pela Praia do Rosa e tomar uns tombos na Escola de Surf Capitão David. Mesmo que você more no Afeganistão e nunca mais vá enxergar mar na sua frente, vai ser uma experiência inesquecível! O curso é dividido em quatro aulas – uma teórica, uma na lagoa, uma na espuma do mar e a última no “outside”, que é onde rolam as ondas de verdade. Tudo com a maior segurança, pranchas e roupas especiais, monitores treinados e a simpatia do Capitão David e da sua esposa Nena. Mesmo que você não saia em condições de dropar Waimea Bay nem entubar em Pipeline, vai levar uma fotinho pra cantar marra para os amigos, pois que você vai ficar em pé na prancha, isso o capitão garante. A escolinha do Capitão fica no deck da Fazenda Verde, no meio da praia, e o telefone é (48) 9990-9458.

 

 

 

 

Nos ventos da Ibira


Wind e kitesurf é na Lagoa da Ibiraquera. Uma feliz combinação de águas e ventos transformam o lugar numa das melhores raias do Brasil para a prática de esportes náuticos de ação, como windsurf e kitesurf. Por ser rasa e estar em área de pesca e proteção ambiental, a lagoa só pode ser utilizada por embarcações de pequeno porte e sem motor. Jet ski nem pensar! Por suas margens espalham-se diversas escolas e clubes de wind e kitesurf, dividindo espaço com ranchos de pescadores artesanais de camarão. Campeonatos nacionais e até mundiais são disputados junto ao povoado da Barra de Ibiraquera, que como o nome indica fica onde a lagoa encontra o mar. Bastante movimentada no verão, a Barra abriga bons restaurantes de frutos do mar, muitas casas de veraneio e a muvuca dos surfistas, kiteiros e simpatizantes. No inverno vira meio faroeste, mas em compensação é nesta época que rolam as melhores ondas e os ventos mais sinistros.

 

 

Trilhas e quebradas

 

Caminhar por trilhas ecológicas, por entre remanescentes de Mata Atlântica, dunas e costões pródigos em belos visuais, é outro prazer que a Praia do Rosa propicia a seus visitantes. As duas principais opções para caminhadas são as trilhas do Luz e da Praia Vermelha, ambas com pequeno grau de dificuldade e características próprias que complementam o passeio. A Trilha do Luz vai do alto do morro do Rosa até a vizinha Praia do Luz, praticamente deserta e que conduz à barra da Lagoa de Ibiraquera, principal point para a prática de windsurf e kitesurf da região. A Barra é um típico balneário de verão, e apesar da farofagem que toma conta da lagoa nos finais de semana ainda é um bom lugar para tomar banho, dar uma banda de caiaque ou traçar frutos do mar espertos nos restaurantes Tartaruga ou Zequinha. Do centrinho do Rosa até a barra a caminhada dura cerca de uma hora, a maior parte do percurso através do Caminho do Rei

 

 

Trilha da Vermelha

 

A Trilha da Praia Vermelha é mais agreste, mas é fascinante por cruzar remanescentes de Mata Atlântica, negros costões lambidos pelo mar e belos visuais, até atingir a Praia Vermelha, um paraíso preservado pela Familia Johanpeter, proprietários não somente da praia como do poderoso Grupo Gerdau. A trilha começa no canto norte da Praia do Rosa e circunda o morro num percurso que dura não mais de 40 minutos. Quem quiser prolongar o passeio pode atravessar a Praia Vermelha e seguir até a Praia do Ouvidor, também através de trilha mantida pela Família Gerdau.